TREINANDO CÃES DE ASSISTÊNCIA

                      CONHEÇA UM POUCO DO NOSSO TRABALHO

                          

      A questão da acessibilidade e mobilidade no Brasil é um problema sério e nesse contexto estão 45,6 milhões de pessoas com deficiência no país (24% da população), sendo que 136,8 milhões de pessoas lidam diariamente com esta realidade.
      Olhando para esses dados, percebemos a imediata necessidade de formar pessoas e Cães de Assistência em alto nível no Brasil para tentar atender, pelo menos parte da demanda apresentada.
       
 

As várias funções dos Cães de Assistência que treinamos

   
      A parceria com
     adultos
   Cadeirantes
 

   Uma das funções de um cão de assistência é a parceria com cadeirantes para executar inúmeras funções, dependendo das necessidades do usuário final, levando em consideração suas dificuldades, necessidades específicas e sua rotina diária. 

   O treinamento é personalizado e direcionado ao usuário final, onde um estudo multiprofissional em parceria  é desenvolvido (neurologista, psicólogo, fisioterapeuta, assistente social, etc), juntamente com o usuário e sua família. 

   A parceria com       Crianças Cadeirantes 

   Os mesmos procedimentos clínicos e técnicos para um usuário adulto são seguidos  para o treinamento de um cão de assistência direcionado a uma criança, porém com algumas funções e características específicas e diferenciadas.

   Cada cão é treinado para uma pessoa especificamente, podendo assim atendê-la melhor em suas reais necessidades, formando uma parceria mais adequada e funcional. 

 

 Cão de Apoio   Emocional
(cães especiais de companhia) 
Cão Guia

  Os cães de apoio emocional são direcionados para pessoas com questões psicológicas e/ou psiquiátricas que dificultam e interferem em sua vida, bem como síndromes e transtornos de várias categorizações.  

 O TEA - Transtorno do Espectro do Autismo é uma condição que em alguns casos as pessoas apresentam estereotipias e dificuldades para se comunicar e interagir com as outras pessoas e a se adequar  em situações sociais.

 Cães especialmente treinados podem reduzir o estresse em crianças com autismo, bem como equilibrar suas relações sociais e melhorar sua rotina diária.

  Fato comprovado cientificamente, onde a interação com cães faz com que diminua os níveis de cortisol (que é o hormônio do estresse) nestas pessoas, aumentando a ocitocina (hormônio do prazer).

 

  A seleção, socialização e treinamento de um cão guia demanda inúmeras especificidades e sutilezas técnicas, além de um excelente temperamento, equilíbrio, foco  e comportamento do cão em todas as situações.

  O grau de exigências para a formação de um cão guia é muito alto, tanto que entre a seleção, socialização, treinamento e formação da dupla (usuário final e cão), leva mais de dois anos. 

 Esse processo é dividido em fases e cada fase exige um  treinamento específico e direcionado, onde esse cão irá frequentar todos os tipos de ambientes internos e externos e também todos os ambientes urbanos.

  Frequentará shopping, teatro, cinema, padarias, farmácias, metrô, trem, ônibus, avião, etc.

  Dentro desse contexto, o cão aprenderá a agir e se comportar adequadamente em cada um deles, visando sempre a segurança da pessoa cega no ato de guiar, aliás o ato de guiar cabe a dupla e não só ao cão.

   

   

   

   

      

   

  Cães Ouvintes
          
 Cães de
 Alerta médico

   O Cão-ouvinte é treinado para ajudar pessoas com baixa audição ou surdas a serem alertadas a sons importantes de sua rotina como: campainhas, alarmes de incêndio, toques de campainha ou telefone, alarmes de despertador, etc.

   Ajudam também fora de casa alertando para sons de sirenes, alertas de saídas de veículos, aproximação de pessoas fora da visão da pessoa surda ou o chamado de seu nome.

   

 

           IAAS

Intervenções Assistidas               por Cães

   O diabetes causa mudanças no odor do copo, não perceptíveis ao olfato humano e se utilizando do olfato apurado dos cães, eles são treinando para detectar as alterações nos níveis de açúcar no sangue.

   Os cães de alerta detectam tais variação  quando ocorre tais alteração em seu tutor para um nível que resulta em um episódio de hipo ou hiperglicemia, fazendo com que se tome uma providência antes que algo aconteça.

   Da mesma forma ocorre com crises de epilepsia, onde o cão é treinado para detectar e antecipar tais crises avisando seu tutor ou pessoa da família.

   As IAAS - intervenções ou interações mediadas por cães, também conhecidas como Atividade, Educação e Terapia Assistida por Cães (A/E/TAA), são ações planejadas por equipe transdisciplinar que buscam o bem estar de crianças,jovens, adultos e idosos nas mais variadas áreas de atuação.

   Para estas ações o cão é treinado especificamente para atuar com a população beneficiada através de um estudo técnico para as ações que ele irá desenvolver.

   

       Selecionamos e treinamos:

      Cães de Assistência

  • Cães Guia: para pessoas cegas e/ou com baixa visão

  • Cães Ouvintes: para pessoas surdas e/ou com baixa audição

  • Cães para PcD (pessoas com algum tipo de necessidade especial ligadas a mobilidade): cadeirantes  e pessoas com mobilidade reduzida de alguma ordem (inferior e/ou superior)

  • Cães de Apoio Emocional (nas suas variadas frentes): TEA, TEPT, TAG, TOC, transtorno do pânico, quadros depressivos, etc

  • Cães de Alerta Médico (ou Cães de Alarme): para detectar picos de glicemia e antecipar episódios de convulsão

    Cães de IACs - Intervenções Assistidas por Cães

  • Cães para IACs - para ações em várias frentes e áreas de atuação  (A/E/TAC - atividade, Educação e Terapia Assistida por Cães)

QUER CONHECER MAIS SOBRE NOSSO TRABALHO ?

Entre em contato com a gente e tire suas dúvidas sobre  a forma que selecionamos e treinamos nossos Cães.

 

Se Você, alguém de sua família ou alguém que você conhece precisa de um cão de assistência, entre em contato conosco.

Me. Oliveiros Barone Castro (Lelo)